Cartilha Antipirataria

Clique aqui, para ter acesso ao conteúdo da Cartilha Antipirataria lançada pela CBDL em setembro do ano passado. Com texto simples e objetivo, a cartilha responde o que é, e como reconhecer um produto pirata. Além disso, informa sobre as consequências para quem pratica estes atos e o que fazer para denunciá-los.

 

 

Estudo aponta que maior preocupação mundial é com a saúde

Divulgado nesta semana pelo instituto de pesquisa Ipsos, um estudo feito em 24 países aponta que a saúde é a principal preocupação global. Os dados revelam que cerca de um em cada quatro entrevistados (23%) identificou a saúde como um dos pontos mais preocupantes em seu país.

Na ponta da lista está o Brasil, com 64%. Depois vem a Polônia (58%), Canadá (40%), Estados Unidos (37%), Austrália (35%), Hungria (30%), Rússia (27%), Arábia Saudita (27%) e Grã Bretanha (27%).

Os números também mostram que as pessoas mais propensas a colocar a saúde como uma das questões mais preocupantes em seus países possuem nível médio de escolaridade (26%), têm entre 50-64 anos (25%), mulheres (24%) e com nível médio de renda familiar (23%). Já entre aqueles com alto nível educacional (17%), renda familiar alta (18%), homens (19%), menores de 35 anos (20%), baixa escolaridade (21%), aqueles com idade entre 35-49 (22%) e aqueles com renda familiar baixa (22%) são os menos propensos a se preocuparem com a saúde.

Chamado Global @dvisor, o estudo acompanha desde 2010 as principais preocupações da população em 24 países. Este relatório é o primeiro de uma série bianual promovido pela Ipsos Public Affairs - área específica da empresa que realiza pesquisas sobre questões sobre políticas públicas, atitudes e comportamentos dos cidadãos e consumidores no mundo.

O levantamento foi feito em abril de 2014 e contou com a participação de mais de 19 mil pessoas entre 18 e 64 anos de 24 países.

Os dados também apuraram que logo após a saúde, o que preocupa os entrevistados é: o desemprego (45%), a corrupção (35%), a pobreza (34%) e a violência (31%). No Brasil, destacam-se depois da saúde: violência (55%), educação (42%), corrupção (36%), pobreza (24%), desemprego (12%) e a inflação (12%). (Com informações do Saúde Business 365 – 18.7.14)