Cartilha Antipirataria

Clique aqui, para ter acesso ao conteúdo da Cartilha Antipirataria lançada pela CBDL em setembro do ano passado. Com texto simples e objetivo, a cartilha responde o que é, e como reconhecer um produto pirata. Além disso, informa sobre as consequências para quem pratica estes atos e o que fazer para denunciá-los.

 

 

Pesquisa brasileira avança no diagnóstico precoce de ELA

Um estudo publicado no periódico NeuroImage: Clinical, divulga as técnicas mais avançadas de análise de imagens de ressonância magnética, capazes de revelar marcadores de ELA, esclerose lateral amiotrófica, doença caracterizada pela degeneração de neurônios motores. A pesquisa foi realizada no Instituto Brasileiro de Neurociência e Neurotecnologia (BRAINN), dentro do Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) da FAPESP.

A equipe de cientistas procurou marcadores de imagem, sanguíneos e genéticos, que pudesse ajudar no diagnóstico precoce da doença. O estudo utilizou exames de ressonância magnética de 63 pacientes com ELA do Hospital das Clínicas da Unicamp.

“Encontramos alteração de espessura no córtex da região pré-central, a região motora primária. Observamos também alterações em tratos da substância branca na região profunda do cérebro e também no corpo caloso (estrutura localizada na fissura longitudinal e que conecta os hemisférios cerebrais). Por fim, detectamos redução progressiva de volume na medula espinhal”, comentou Marcondes Cavalcante França Jr., chefe do setor de Doenças Neuromusculares da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A ELA é uma doença incurável e, depois do Alzheimer e Parkinson, é o mal que menos causas são conhecidas. “Não conhecemos a etiologia da doença ou qual o seu fator desencadeante. Mas sabemos que de 5% a 10% dos casos têm substrato genético. E que cerca de 15 genes, quando sofrem mutação, estão relacionados ao desenvolvimento de ELA”, finalizou Marcondes. (Com informações da Agência Fapesp – 4.7.17)